No universo do trabalho as empresas têm diversas responsabilidades para com os seus colaboradores. Dentre elas a preservação da sua saúde. Um objetivo que precisa ser amparado por medidas que ajudem a inibir o desenvolvimento de doenças. É neste quesito que ocorre estreita relação entre Medicina Preventiva e Promoção de Saúde no Ambiente de Trabalho.

Sabemos que a atuação mais comum do médico do trabalho costuma ser nos exames de admissão e rescisão de contrato. A saúde ocupacional, no entanto, deve ir muito além destas práticas obrigatórias. Programas de longo prazo que envolvam os funcionários em campanhas de incentivo às boas práticas de saúde devem ser elaborados, um cuidado que é também uma forma de valorização do capital humano da empresa.

Como exemplos de benefícios práticos nota-se que o monitoramento e incentivo aos hábitos saudáveis ajuda nos diagnósticos precoces, evitando não apenas doenças graves, como também os afastamentos do trabalho. No aspecto subjetivo, este conjunto de práticas pode servir para tornar os empregados mais engajados com a sua função. Portanto, ambos os lados desta relação têm a ganhar com os cuidados em saúde.

Medicina Preventiva e Promoção de Saúde no Ambiente de Trabalho: atuando em diferentes níveis de prevenção

Os programas e práticas de medicina preventiva no contexto organizacional devem ser desenvolvidos dentro de quatro níveis de ação. No primeiro está a prevenção primária, aquela que atua inibindo o aparecimento de doenças. É onde se inclui monitoramento de funcionários em situação de risco devido à exposição a elementos nocivos ou atividades perigosas. Ela envolve, assim, aqueles aspectos do trabalho que interferem na saúde dos empregados. A prática também é conhecida como prevenção de danos. Campanhas voltadas à promoção da qualidade de vida também estão no nível primário de cuidados.

Na prevenção secundária já há um quadro de patologia se desenvolvendo no paciente. O foco então é permitir uma evolução clínica positiva, atenuando a gravidade da doença ou colaborando para a sua eliminação. Aqui o investimento é em procedimentos de diagnóstico e terapia. Portanto, é onde entram exames periódicos, rastreamentos e similares.

Na relação entre Medicina Preventiva e Promoção de Saúde no Ambiente de Trabalho o acompanhamento sistemático dos dados propicia que a empresa disponha de estatísticas sobre os colaboradores, informações que servirão para orientar programas preventivos e outras ações futuras.

No quarto nível devem entrar as medidas para limitação do dano. Ou seja, grupos de apoio e acesso rápido aos serviços dos planos de saúde, incluindo aos tratamentos cirúrgicos.

Entenda como o Loggi pode ajudar na prática de atenção à saúde na sua empresa

Promover a saúde no ambiente de trabalho é meta que demanda organização e cuidado para desenvolver uma grade de ferramentas preventivas. Dentro das etapas cabem exames complementares, ginástica laboral, campanhas de vacinação e ações voltadas à prevenção de acidentes.

Para centralizar os dados dos colaboradores e melhorar o planejamento vale a pena experimentar uma ferramenta como o Loggi. Com ele é mais fácil elaborar práticas para trabalhar Medicina Preventiva e Promoção de Saúde no Ambiente de Trabalho. Na plataforma existe a função, por exemplo, de personalizar os programas de atenção e promoção à saúde.

Outra possibilidade é a de mapear os riscos e fazer a geração de planos de cuidados adequados a cada funcionário.

Gostou dessas dicas? Para receber em primeira mão artigos sobre atenção à saúde, assine a nossa newsletter.

Medicina Preventiva e Promoção de Saúde no Ambiente de Trabalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: