Clientes do Loggi, software para a gestão de pacientes e programas de medicina preventiva, contam com nova versão, otimizada para quem atua com APS – Atenção Primária à Saúde.

Nessa versão foram implementados o Registro de Evolução do Paciente no padrão SOAP (MODELOS) e também a utilização do CIAP nessas evoluções (CODIFICAÇÃO) em idioma português. Esses padrões estão carregados no software, já vinculados com a tabela CID, para facilitar a padronização do registro no prontuário do paciente.

Segundo Demarzo, Oliveria e Gonçalves (1), o padrão SOAP é um componente do “Registro Médico Orientado por Problemas”, posteriormente adaptado para “Registro Clínico Orientado por Problemas” (RCOP), cuja aplicação tem sido bastante efetiva para a prática clínica de APS. De acordo com a apresentação sobre Telessaúde do Ministério da Saúde – Núcleo Mato Grosso do Sul (2), o padrão SOAP faz referência às siglas abaixo, explicadas de forma sintetizada:

Subjetivo (S) queixas e outras informações dos pacientes e de seus acompanhantes.

Objetivos – dados (O) os achados de exame físico e dos exames complementares.

Avaliação (A) conclusões sobre a situação do paciente, os pensamentos relativos ao diagnóstico e a resposta ao tratamento.

Planos (P) exames a serem solicitados, as razões, modificação de doses ou retirada de itens da terapêutica, o plano diagnóstico, terapêutico ou de seguimento.

Ainda segundo o MS, o padrão CIAP – Classificação internacional de Atenção Primária – engloba os problemas mais frequentes na APS e permite registros centrados na pessoa e não na doença, a utilização de diferentes códigos em diferentes etapas da consulta, identificar ou codificar o motivo da consulta, identificar sentimentos do paciente, entre outras possibilidades.

Padronização e Produtividade

Com essas funcionalidades integradas ao LOGGI, além de o profissional de saúde estar utilizando, de forma facilitada, os padrões de registro e de codificações que estão alinhados com práticas clínicas reconhecidas pelas instituições de Saúde, essa atualização possibilita a padronização e agiliza os registros, aumentando a produtividade da equipe. E para as empresas que atuam com APS, o uso dessas classificações é fundamental para a implementação de seus programas de APS com efetividade.

A visão de futuro para as Operadoras de Planos de Saúde que já iniciarem esses registros, é que sua documentação permitirá analisar a evolução do paciente e usar a Inteligência Artificial (IA) para criar sugestões de planos de ação de acordo com o cruzamento de critérios e resultados históricos.

Para mais informações sobre o Loggi e suas aplicações em Operadoras de Planos de Saúde nas áreas de Medicina Preventiva e APS, acesse nosso site: formedici.com.br. Estou aguardando seu contato.


[1] DEMARZO, Marcelo Marcos Piva, OLIVEIRA, Cristina Alves de, E GONÇALVES, Daniel Almeida. Prática clínica na Estratégia Saúde da Família − organização e registro. Disponível em: https://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/2/unidades_conteudos/unidade15m/unidade15m.pdf. Acesso em 28 jun 2019

[2] MINISTÉRIO DA SAÚDE. SOAP e CIAP na prática da ESF. Disponível em ftp://balcao.saude.ms.gov.br/horde/telessaude/apresentacao/2015/SOAP%20e%20a%20CIAP%20na%20pratica%20da%20ESF.pdf . Acesso em 28 jun 2019

LOGGI traz novas funcionalidades relacionadas com o Registro de Evolução do Paciente integradas aos padrões SOAP e CIAP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: