Dr. Rodrigo Protte Pedro, Coordenador do Núcleo de Atenção à Saúde e
Sra. Magali H. Haniu Nakahara, Gerente de Provimento à Saúde (Unimed Araçatuba)

A partir do momento em que o contágio pelo coronavírus foi declarado como pandemia pela Organização Mundial de Saúde, a equipe do Núcleo de Atenção à Saúde, sob a coordenação do Dr. Rodrigo Protte Pedro, iniciou o monitoramento dos pacientes que passam pelo Hospital Unimed Araçatuba, com a finalidade de acompanhar e monitorar todos os indivíduos que portassem sintomas relacionados com a Síndrome Gripal.

Conforme informações fornecidas pela Gerente de Provimento à Saúde, Magali H. Haniu Nakahara, o Programa da Síndrome Gripal foi implementado para atender quatro objetivos específicos, além da mitigação de danos: 1) realizar o acompanhamento telefônico de todos os pacientes atendidos pela rede hospitalar e ambulatorial da Unimed Araçatuba com o diagnóstico de Síndrome Gripal; 2) manter a linha de cuidado que se inicia na Rede Unimed Araçatuba e tem continuidade no domicílio do paciente, por meio do telemonitoramento, realizado pela equipe do Núcleo de Atenção à Saúde (NAS); 3) oferecer aos beneficiários um canal para solucionar dúvidas a respeito da Síndrome Gripal; e, 4) encaminhar os pacientes que apresentassem piora clínica para o atendimento presencial no serviço de referência do Hospital Unimed Araçatuba, após avaliação médica pelo serviço de telemonitoramento.

Este programa pode ser considerado uma entre as principais ações realizadas pela Unimed Araçatuba para o combate à pandemia do coronavírus, pois permitiu a gestão, em tempo hábil, de todos os pacientes atendidos nas unidades do Hospital Unimed Araçatuba e identificados com Síndrome Gripal, incluindo seus contatos diretos. Desta forma foi possível acompanhar todo o histórico sintomatológico, terapêutico e a comprovação diagnóstica, além de fornecer orientações sobre isolamento e esclarecer quaisquer dúvidas que o beneficiário pudesse ter sobre sua enfermidade.

Tecnologia trouxe agilidade e racionalidade às ações

Para a identificação, monitoramento e controle das informações dos pacientes, a ferramenta Loggi da ForMédici teve um importante papel facilitador, pois permitiu a inclusão prática e rápida dos casos suspeitos, bem como a exclusão eficiente dos assintomáticos; facilitou a catalogação dos casos por escores de gravidade quanto à intensidade de acompanhamento dos casos suspeitos, além de facilitar a emissão de relatórios estatísticos das informações coletadas. Nakahara explica que o Loggi já era utilizado em todos os programas desenvolvidos na Unimed Araçatuba, e no Programa da Síndrome Gripal, o software foi determinante para a catalogação e síntese dos dados da pandemia entre os pacientes monitorados.

Com a implementação do Programa da Síndrome Gripal, o Hospital Unimed Araçatuba conseguiu monitorar de forma eficiente os beneficiários atendidos; fazer a estratificação de risco através de Escore de Gravidade; obter estatísticas da população quanto aos resultados laboratoriais confirmatórios de COVID-19; identificar o percentil de sintomatologia apresentada pela população monitorada e identificar e monitorar os contatos diretos com os casos suspeitos.

Nakahara explica ainda, que o Programa da Síndrome Gripal será mantido enquanto houver as notificações dos casos à Vigilância Epidemiológica do Município de Araçatuba (SP), porém, explica que o protocolo poderá ser adaptado para qualquer outra epidemia.

Agradecemos a Unimed Araçatuba, ao Dr. Rodrigo Protte Pedro e à nossa entrevistada, Sra. Magali H. Haniu Nakahara, pelas informações compartilhadas neste artigo e pela confiança nos produtos e serviços da ForMédici.

Para acompanhar mais informações sobre a tecnologia aplicada aos desafios das Operadoras de Planos de Saúde, acompanhe nosso blog.

Saiba Como a Unimed Araçatuba Implementou o Monitoramento da Síndrome Gripal a partir da Pandemia do Coronavírus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: